Busca de Artigos:

As Denominações de Origem no Brasil

Publicado em: 16 Fevereiro, 2012 por Mateus V.

As Denominações de Origem são essenciais para o desenvolvimento da viticultura brasileira? Há dez anos o Brasil tinha sua primeira Indicação Geográfica criada, o Vale dos Vinhedos. Temos visto a partir daí o surgimento de uma sequência de outras Indicações, não somente para regiões vinícolas, mas para outros produtos oriundos do setor agropecuário. No ano passado, o Vale dos Vinhedos, deu um passo a mais e conquistou junto ao INPI o registro de Denominação de Origem. Outras regiões, como Pinto Bandeira, estão buscando o mesmo.

Foto 1: DO Vale dos Vinhos - Vinhedo da Miolo (Foto: web)

As Indicações geográficas no Brasil seguem os moldes da Europa. O conceito vem de lá, e a proposta é de se obter produtos genuínos, com procedência certificada, com um padrão mínimo de qualidade. Estas IGs possuem um regulamento que determina normas de produção, fiscaliza, e oferece apoio institucional, principalmente aos pequenos produtores. Para ostentar e se beneficiar do nome da região, o vinho deve então respeitar todas as normas de produção, desde o vinhedo até o engarrafamento. Tudo isto gera certa burocracia e onerosidade ao produto final. Como existem empresas de diferentes propostas e tamanhos que coabitam em uma mesma região, conflitos são quase inevitáveis. 

Uma das premissas da DO é criar produtos genuínos, e aí entra uma questão levantada pelo escritor e crítico de vinhos Oz Clarke quando esteve em sua última visita ao Brasil. Em entrevista, ele se refere ao fato da DO Vale dos Vinhedos permitir apenas a uva Merlot como varietal. Por ser uma região de colonização italiana, especialmente da região do Trento, ele gostaria de ver uma variedade de lá como sendo emblemática. Ele cita a uva Teroldego, produzida por algumas vinícolas, e uma série de variedades que foram trazidas pelos imigrantes italianos, mas que foram esquecidas no tempo.

Foto 2: DOCG Vino Noble di Montepulciano - Itália (Foto: web)

Limitar a produção em três, duas ou até mesmo em uma variedade de uva numa região cria uma identidade, mas tira a liberdade do produtor e o deixa vulnerável às flutuações do mercado. A Merlot, embora que resulte em grandes vinhos, nada tem de original. É produzida em todas as regiões do mundo. Será que precisamos ser tão restritivos? Dentro de tantas variedades existentes e que ainda não foram testadas, limitar o cultivo em uma ou duas? Precisamos seguir à risca o modelo Europeu, que, diga-se de passagem, encontra-se em decadência?

Temos uma história recente e me parece que temos muito a aprender ainda. Será que o consumidor brasileiro, acostumado a comprar variedade ou marca, irá comprar a ideia de uma região, como quando compra um Borgonha? Na Europa houve uma grande reforma das DOs no ano de 2010 visando simplificar o sistema, tornando-o menos burocrático e mais competitivo, visto que algumas delas não gozam de reputação e carecem de recursos financeiros até mesmo para seu autocontrole e sua promoção. Muitas delas estão em via de desaparecimento. O Brasil, no entanto, está adotando este modelo Europeu mesmo tendo uma carga tributária enorme e sofrendo uma concorrência desleal com os vinhos importados.

As circunstâncias não são muito favoráveis para geração de mais burocracia e onerosidade para o vinho nacional. Isso é visível pelo pequeno número de vinhos com DO no Vale dos Vinhedos, que dever ser menos de 10% da produção total. O restante são vinhos elaborados com uvas procedentes de outras regiões, ou que não seguem as normas pré-estabelecidas. Na teoria uma DO é muito bom, desde que ela possa ser justificável para o consumidor no plano qualitativo, e para o produtor, no plano comercial.

Sobre o Autor

Comentários na WineTag

8

Eduardo de Beauclair S. disse há 2770 dias às 11:59h:

Acho que a DO protege o consumidor e ajuda o produtor contra falsificações, mas de maneira a não restringir a produção a uma uva. Lembro que a denominação é da origem, não da uva!

Reportar Abuso

0

Tinah L. disse há 2769 dias às 15:50h:

Muito legal a reportagem! Embalada por ela fui Googlar e achei a cartilha confeccionada pela Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale), que esclarece os conceitos de Indicação Geográfica (I.G.), Indicação de Procedência (I.P.) e Denominação de Origem (D.O.), com explicações claras e bastante fáceis de entender. Quem quiser acessá-la, bastar digitar na barra de endereços: http://www.valedosvinhedos.com.br/userfiles/file/cartilha_DO%20Aprovale.pdf Abraço

Reportar Abuso

  1. Adicionar Comentário:

    Você precisa estar logado na WineTag para deixar um comentário.

Baixe o App da WineTag

É grátis! Acesse todo o conteúdo da WineTag em seu celular.

...saiba mais»

Look at here now: continued here roaccutane kullananlar click this.