Busca de Artigos:

A presença francesa em Mendoza

Publicado em: 06 Dezembro, 2010 por Euclides P.

Jacques Montalembert, Diane Fabre, Jean Bousquet, Michelle Bonnie, François Lurton, Brigite Subra, ... e outros tantos. Estou falando da França? Não, falo da Argentina.

O influente e agora discutido enólogo internacional Michel Rolland havia revelado a potencialidade da vitivinicultura argentina para os franceses nos anos 80: Ele diria mais tarde para todo mundo: “O potencial argentino para a vinicultura é impressionante; a diversidade de suas perspectivas futuras é dramática. Se há um lugar... para um desenvolvimento genuíno de uma nova e excepcional viticultura, esse lugar é certamente a Argentina.”

Jean Michel Arcaute, premiado enólogo do Château Clinet em Bordeaux e precursor da presença francesa em Mendoza, deixou isso claro, pouco antes de falecer, em 2001, num acidente de barco em Arcachon, na França:

- “...o amigo Michel Rolland me encorajou a visitar a América do Sul em 1991... meu encontro com o vinho argentino me cativou... diversas variedades, o clima, a disponibilidade de amplos terrenos... logo enxerguei o enorme potencial de Mendoza, onde o melhor Malbec do mundo fixou residência...”

Empreendedor visionário, Arcaute convenceu, por sua vez, diversos investidores e enólogos franceses a se estabelecerem na Argentina.

Alguns deles, como Catherine Péré-Vergé, do Pomerol (proprietária dos Châteaux Montviel, La Gravière e Le Gay) e Alfred e Michele Bonnie, de Bordaux (Chateaux Malartic-Lagravière e Gazin-Rocquencourt), juntaram-se a Rolland para formar as vinícolas Clos de los Siete, Flechas de Los Andes, Diamandes e Monteviejo.

Outros chegaram também, para ficar: a família d’Aulan, os Lurton, Hervé Fabre, Philippe Subra, Jean Bousquet...

Os d’Aulan eram proprietários da Champagne Piper- Heidsieck, em Reims. Depois de vendê-la, criaram a empresa Edonia que abrange várias áreas da França – Médoc, Saint Emilion, Calvados – além de Tokaji, na Hungria. Eles fincaram pé em Mendoza em 1999, sob a influência de Arcaute, criando a Bodega Alta Vista, hoje com capacidade para 2,2 milhões de litros de vinho por ano. Fica em Chacras de Coria e possui vinhedos tanto em Luján de Cuyo (Las Compuertas, Alto Agrelo) como no Valle de Uco (Campo de los Andes, Altos del Cepillo), com Malbec, Cabernet Sauvignon, Syrah, Petit Verdot e Chardonnay.

Pierre Lurton uniu forças ao enólogo Nicolas Audebert para criar o Cheval des Andes, joint venture do Cheval Blanc, “premier cru” de Bordeaux, com a Terrazas de los Andes, de Perdriel. O que cativou Lurton em especial foi a descoberta de um vinhedo de Malbec pré-filoxérico com 75 anos de existência. Dedicou-se então a criar um “premier cru” do Novo Mundo, em Mendoza.

A vinícola Fabre Montmayou em Vistalba é de propriedade do casal Hervé e Diane Joyaux Fabre. Com capacidade para produzir um milhão de litros de vinho por ano e estocagem para 250 mil garrafas, ela tem em Hervé não somente seu principal executivo mas também um técnico, ao lado do enólogo Quentin Pommier, ambos voltados para a noção de “terroir” tão cara aos franceses. São 90 hectares de Malbec, Cabernet Sauvignon, Merlot e Chardonnay.

Carinae Viñedos y Bodegas é um projeto relativamente novo, iniciado há sete anos, em Cruz de Piedra, Maipu. Brigite e Philippe Subrá, com quem estive aqui no Rio, chegaram a Mendoza vindos da França em 1998, reconstruiram uma antiga bodega butique de Cruz de Piedra e agora dedicam-se ao desenvolvimento de seus vinhedos totalizando 18 hectares em Tres Esquinas (Maipu) e Perdriel (Lujan de Cuyo) com Malbec, Cabernet Sauvignon e Syrah.

Last but not least citemos o Domaine Jean Bousquet, cujo proprietário pertence a uma terceira geração de vinicultores de Carcassone, no sul da França. Estabelecido em Tupungato, a 1200 metros de altitude, em 1997, dedica-se à viticultura orgânica e conta com 120 hectares de vinhedos em Gualtallary.

Talvez desse para continuar com mais alguns mas fiquemos por aqui pois a listagem e descrições acima parecem suficientes para demonstrar a extraordinária importância da presença francesa na vinicultura mendocina.

Sobre o Autor

Comentários na WineTag

  1. Adicionar Comentário:

    Você precisa estar logado na WineTag para deixar um comentário.

Baixe o App da WineTag

É grátis! Acesse todo o conteúdo da WineTag em seu celular.

...saiba mais»